Potencial de fosfato em MT é levantado por empresa vinculada ao Ministério de Minas e Energia

0
204

O potencial de fosfato na região sul do estado é foco de estudos do Serviço Geológico do Brasil (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais – CPRM), empresa vinculada ao Ministério de Minas e Energia. A informação é do diretor de geologia e recursos minerais da companhia, José Leonardo Andriotti, durante o 1º Fórum ‘Panorama do Setor Mineral no Estado de Mato Grosso’. O evento ocorreu na sede da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), em Cuiabá.

“Inclusive, temos convênio firmado com o governo do estado, que está ativo. O Brasil é um país agrícola que importa cerca de metade do fosfato e mais de 90% do potássio que consome. Então, estamos fazendo os estudos necessários para viabilizar áreas com esses recursos”, disse Andriotti.

Segundo o diretor da Fiemt, Cleverson Cabral, Mato Grosso produz mais de 10% da produção brasileira de ouro, quase 90% da produção de diamantes, 1,5 milhão de tonelada de cimento e é o maior produtor de calcário. Ele destaca que há entraves que impedem o desenvolvimento do segmento que precisam ser solucionados.

“Tem quatro anos que ocorreu a audiência pública em Aripuanã sobre a instalação de uma mineradora, mas só ao final do ano passado saiu a licença prévia. Contudo, é necessária a licença trifásica: a prévia, de instalação e de operação. É um projeto que vai gerar mais de mil empregos diretos e percorre uma lentidão que prejudica. Naturalmente, o meio ambiente deve ser respeitado. Queremos desenvolvimento sim, mas com sustentabilidade”, destacou Cabral, que também é o presidente do Conselho de Meio Ambiente da Fiemt.

Para o gerente regional da Agência Nacional de Mineração (ANM-MT), Serafim Melo, os debates realizados ao longo do fórum foram importantes para o desenvolvimento do segmento. “Necessitamos muito falar de mineração ’25 horas’ por dia. Temos que aproveitar essa oportunidade para focar enfaticamente as nossas necessidades imperiosas para que o setor se desenvolva. Sem mineração não tem indústria, sem indústria não tem o agro, e sem o agro não tem vida”.

O Fórum contou com a parceria do Sindicato das Indústrias Extrativas de Minérios do Estado de Mato Grosso (Sindiminério), Sindicato das Indústrias de Extração de Calcário do Estado de Mato Grosso (Sinecal), ANM, Fiemt e da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia.

“O estado de Mato Grosso é alvo de nossas prioridades e atribuições. O Ministério de Minas e Energia tem provocado a mineração, uma atividade que é 4% do PIB e precisa estar na prioridade do governo e essa nova gestão tem isso como estratégia”, afirmou o diretor do departamento de desenvolvimento sustentável na mineração do Ministério, Gabriel Mota Maldonado

Também participaram do evento o diretor da Faculdade de Geociências da a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), o presidente da Companhia Mato-Grossense de Mineração (METAMAT), a assessora internacional do Gabinete de Governo de Mato Grosso, Ariana de Oliveira.

“É fundamental esse evento estar ocorrendo na casa da Indústria, porque para ocorrer indústria a mineração é um ponto fundamental, que vai gerar recursos, emprego, renda e melhorar a qualidade de vida, que é o objetivo final da nossa atividade”, finalizou Cabral.

Fonte: Assessoria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here