33 C
Cuiabá
segunda-feira, 22 julho 2019

Gilmar Mendes:Lava-Jato é um grupo de trabalho, mas virou partido político. Confira outras informações na coluna JPM desta quarta-feira (24)

0
113

CRÍTICA DE GILMAR

Nesta quarta-feira (24), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes d não poupou  criticas contra membros da Operação Lava Jato e, em especial, contra o procurador Deltan Dallagnol, que foi alvo de abertura de um processo administrativo disciplinar pelo Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A abertura do processo se deu por declarações que o procurador deu em uma recente entrevista à rádio CBN, afirmando que os ministros Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, além de Gilmar Mendes, desfaziam todo o trabalho realizado em Curitiba.
MUITA POLÍTICA
Na avaliação do  ministro, o grupo de investigação se transformou em um partido político e a tentativa da criação da “fundação Lava Jato”, com gerenciamento de grandes montantes financeiros, seria uma “brincadeira que Dallagnol teria para fazer política”.”Mas por um vício – esses vícios comuns a nós – virou, na verdade, uma instituição, um partido político. Quase ganharam, vocês viram, uma fundação”
ENTREVISTA
Gilmar Mendes falou com jornalistas na capital portuguesa, onde encerra nesta quarta o workshop que faz parte do VII Fórum Jurídico de Lisboa, evento organizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e o Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), do qual é sócio.MOROSIDADE DO GOVERNO

AGENDA

No próximo dia 8 de maio , os governadores devem ter uma agenda  com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, da República, Jair  Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Os governadores, também, decidiram adequar o apoio dos estados a aprovação da nova Previdência à votação de propostas que se encontram estagnadas no Congresso, que podem melhorar o caixa das unidades estaduais federativas, como: a cessão onerosa do pré-sal, a securitização das dívidas, o pacto federativo e a Lei Kandir.

MAIS ARTICULAÇÃO

Após muito debates,  o governo conseguiu vencer a primeira etapa de tramitação da reforma da Previdência e aprovou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) o relatório do deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), favorável à admissibilidade da proposta. O texto foi aprovado com 48 votos. A tramitação, porém, mostrou que o governo precisará aprimorar a articulação política para enfrentar a próxima fase, a comissão especial, na qual é discutido o mérito do projeto.

PROCESSO

Após a aprovação na CCJ, o próximo passo é a criação de uma comissão especial para analisar o mérito da matéria, que poderá sofrer alterações. Joice Hasselmann informou que foi fechado um acordo com os líderes dos partidos para acelerar a instalação dessa comissão ainda hoje

IBOPE

Conforme  pesquisa Ibope divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (24), o  governo do presidente Jair Bolsonaro é mais bem avaliado entre homens, moradores do Sul do País e entre aqueles com renda mais alta, aponta pesquisa Ibope divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (24). Pelo levantamento, 35% das pessoas consideram a gestão de Bolsonaro ótima ou boa, enquanto 27% dizem que o governo é ruim ou péssimo.

MELHOR AVALIAÇÃO

Moradores da Região Sul são os que mais bem avaliam o governo: 44%. No Nordeste, por outro lado, a avaliação positiva desce para 25%. O índice é de 35% no Sudeste e de 37% nas regiões Norte e Centro-Oeste.A popularidade do governo é maior entre os homens. Para 38% dos entrevistados do sexo masculino, a gestão de Jair Bolsonaro está sendo ótima ou boa. O porcentual cai para 32% entre as mulheres.

ENCONTRO

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, esteve hoje  na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Moro foi tratar sobre seu pacote anticorrupção que está tramitando na Casa. A visita durou menos de meia hora. Moro deixou a residência sem conversar com a imprensa.

 

 

SALDO NEGATIVO

Após dois meses de resultados positivos, o Brasil fechou 43.196 vagas de emprego formal em março deste ano, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta-feira, 24, pelo Ministério da Economia.O saldo negativo decorreu de 1.261.177 admissões e 1.304.373 demissões. E contrariou estimativas de geração de vagas dos analistas do mercado financeiros que esperavam abertura de 44 mil a 150 mil postos de trabalho, com mediana positiva em 82 mil vagas.

FRASE DO DIA

“A modernização trabalhista tem apresentado números muito positivos em termos de segurança jurídica, de redução do volume de ações judiciais da indústria. Houve uma queda de 35% da utilização de maneira muito pouco correta da Justiça do Trabalho”, argumentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here