CPI aprova convocação de prefeito e empresário do ramo de combustíveis

0
216

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Renúncia e Sonegação Fiscal aprovou a convocação do empresário do setor de combustíveis Gércio Marcelino Mendonça Júnior, conhecido como Júnior Mendonça. O depoimento está programado para o dia 22 deste mês. A decisão atendeu requerimento do deputado estadual Carlos Avallone (PSDB).

“Muitos postos estão fechando em Mato Grosso, enquanto as unidades do senhor Júnior Mendonça estão em plena ascensão. Não há irregularidade nisso. Entendemos que o empresário Júnior Mendonça detém conhecimento técnico a respeito do setor”, destacou Avallone.

Atendendo a um pedido do presidente da CPI, deputado Wilson Santos (PSDB), foi aprovado convite ao prefeito de Rondonópolis (225 km ao sul de Cuiabá), José Carlos do Pátio (SD), para prestar informações a respeito do teor das investigações e quais os desdobramentos finais na reunião do dia 29 deste mês.

“Foram autorizados nos últimos anos, em Mato Grosso, incentivos fiscais via decreto, o que é ilegal, e operações policiais para combater fraudes. O ex-deputado Zé do Pátio pode contribuir e muito com o rumo da atual investigação”, ressaltou o deputado Wilson Santos.

Ainda foi aprovado requerimento de autoria do deputado Max Russi (PSB) que recomenda um estudo técnico a respeito do fechamento dos postos de combustíveis dos cinco maiores municípios de Mato Grosso (Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop e Tangará da Serra).

“Muitos postos de combustíveis estão sendo fechados gerando, no mínimo, 30 empregos a menos. Enquanto outras unidades estão em plena expansão. Já houve também o depoimento do Aldo Locatelli, que expôs ilegalidades no pagamento de impostos”, disse.

A CPI ainda atendeu pedido do deputado Carlos Avallone para que seus membros avaliem uma data para agendar o depoimento de um dos membros da cúpula da Plural (Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência).

Ainda foi discutido na reunião, a pedido de Avallone, a possibilidade de os membros da CPI irem até São Paulo para dialogar com o promotor de Justiça, Luiz Alberto Segalla Bevilacqua, a fim de discutir a proximidade do crime organizado com a sonegação de impostos.

Os trabalhos de investigação pela Assembleia Legislativa a respeito de sonegação de impostos e fraudes nas renúncias fiscais pela iniciativa privada foram retomados nesta quinta-feira (15), após a interrupção em abril, por falta de equipe técnica.

Fonte: ALMT

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here