Bolsonaro fala contra o comunismo; Haddad, em manter a luta na oposição

0
85

Os primeiros momentos dos candidatos à Presidência da República após as eleições mostraram que desavenças e rancores da campanha ainda não foram superados.

Até o fim deste domingo (28.out.2018), o petista Fernando Haddad não telefonou para desejar boa sorte ao vencedor, Jair Bolsonaro (PSL). Nenhum dos 2 citou o adversário no discurso após o pleito.

Jair Bolsonaro fez 2 discursos (leia as íntegras e assista aos vídeos): o 1º na internet para militantes e outro, mais estruturado e lido diante das câmeras da mídia tradicional, em que evitou o tom mais belicoso. Ao final, respondeu rapidamente a poucas perguntas de repórteres.

Não se furtou a uma estocada no adversário quando falou em seu território, a internet: “Não poderíamos mais continuar flertando com o socialismo, com o comunismo e com o populismo e com o extremismo da esquerda”.

Mas afirmou que ficará ”ao lado da Constituição” e em defesa da democracia e da liberdade. Perguntado pelos repórteres,  disse que também cuidará da pacificação do país após as eleições.

Fernando Haddad também não poupou estocadas no adversário: “a soberania nacional e a democracia como entendemos é 1 valor que está acima de todos nós. Temos uma nação, temos de defendê-la daqueles que de forma desrespeitosa pretendem usurpar o nosso patrimônio”.

Em seu discurso (íntegra), o petista sublinhou que o eleitorado está dividido. Disse ter consciência de que é minoria, mas “uma parte expressiva do povo brasileiro precisa ser respeitada nesse momento. Diverge da maioria. Tem 1 outro projeto de Brasil na cabeça e merece o respeito no dia de hoje”.

Haddad lembrou ter obtido “mais de 45 milhões” de votos (com 99,99% das urnas apuradas, tinha 47.040.380 votos). Não conseguiu dividir tanto o eleitorado quanto Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) na campanha de 2014, quando a petista venceu com 51,64% contra 48,36% do tucano.

Mas Haddad baixou a diferença para o vencedor a apenas 10,26 pontos percentuais contra os 17,75 de distância no 1º turno. O petista obteve 44,87% dos votos válidos contra 55,13% de Bolsonaro.

Essas eleições mostram o país dividido. Um pouco menos do que após a campanha de Dilma contra Aécio e até do que a disputa entre Fernando Collor de Mello (PRN) e Lula em 1989, quando a diferença ficou em 53,03% para o alagoano contra 46,97% para o petista. Mas mais dividido do que as outras disputas anteriores do PT pelo Planalto.

Em sua primeira disputa pela Presidência, em 2010, Dilma venceu José Serra com 56,04% dos votos válidos. E em 2002 e 2006, Lula venceu seus adversários tucanos, respectivamente com 61,27% e 60,83%. Em 1994 e 1998 o petista perdeu logo no 1º turno para Fernando Henrique Cardoso.

Após as eleições de Dilma contra Aécio e de Collor contra Lula, ocorreu uma situação semelhante: nem quem ganhou estendeu a mão ao perdedor, nem o derrotado rendeu qualquer tipo de homenagem ao vencedor. Mas qualquer semelhança, nesses casos, pode ser mera coincidência. Ou não, como diria Caetano Veloso.

Leia abaixo a íntegra dos discursos dos candidatos após o anúncio do resultado:

JAIR BOLSONARO – DISCURSO À MÍDIA

(lido para as câmeras de TV em frente a sua casa)

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. Nunca estive sozinho e senti a presença de Deus e a força do povo brasileiro.

Orações de homens, mulheres, crianças, famílias inteiras que, diante da ameaça de seguirmos por um caminho que não é o que os brasileiros desejam e merecem, colocaram o Brasil, nosso amado Brasil, acima de tudo.

Faço de vocês minhas testemunhas de que esse governo será um defensor da Constituição, da democracia e da liberdade. Isso é uma promessa, não de um partido, não é a palavra vã de um homem, é um juramento a Deus.

A verdade vai libertar este grande país e a liberdade vai nos transformar em uma grande nação. A verdade foi o farol que nos guiou até aqui e vai seguir iluminando nosso grande caminho.

O que ocorreu hoje nas urnas não foi a vitória de 1 partido, mas a celebração de 1 país pela liberdade. O compromisso que assumimos com os brasileiros foi de fazer 1 governo decente, comprometido exclusivamente com o país e com o nosso povo. Garanto que assim o será.

Nosso governo será formado por pessoas que tenham o mesmo propósito de cada um que me ouve neste momento. O propósito de transformar o nosso Brasil em uma grande, livre e próspera nação.

Podem ter certeza que nós trabalharemos dia e noite para isso. Liberdade é 1 princípio fundamental, liberdade de ir e vir, andar nas ruas, em todos os lugares deste país. Liberdade de empreender. Liberdade política e religiosa, liberdade de informar e ter opinião. Liberdade de fazer escolhas e ser respeitado por elas.

Este é 1 país de todos nós, brasileiros natos ou de coração. Um Brasil de diversas opiniões, cores e orientações. Como defensor da liberdade, vou guiar 1 governo que defenda e proteja os direitos do cidadão, que cumpre seus deveres e respeita as leis. Elas são para todos, porque assim será o nosso governo, constitucional e democrático.

Acredito na capacidade do povo brasileiro, que trabalha de forma honesta, de que podemos juntos, governo e sociedade, construir 1 futuro melhor.

Esse futuro de que falo e acredito passa por 1 governo que crie condições para que todos cresçam. E significa que o governo federal dará 1 passo atrás, reduzindo a sua estrutura e a burocracia, cortando desperdícios e privilégios, para que as pessoas possam dar muitos passos à frente.

Nosso governo vai quebrar paradigmas. Vamos confiar nas pessoas. Vamos desburocratizar, simplificar e permitir que o cidadão, o empreendedor, tenha mais liberdade para criar e construir e seu futuro.

Vamos “desamarrar” o Brasil. Outro paradigma que vamos quebrar: o governo respeitará, de verdade, a Federação. As pessoas vivem nos municípios; portanto, os recursos federais irão diretamente do governo central para os Estados e municípios.

Colocaremos de pé a federação brasileira. Nesse sentido, é que repetimos que precisamos de mais Brasil e menos Brasília.

Muito do que estamos fundando no presente trará conquistas no futuro. As sementes serão lançadas e regadas para que a prosperidade seja o desígnio dos brasileiros do presente e do futuro. Esse não será um governo de resposta apenas às necessidades imediatas.

As reformas a que nos propomos serão para criar um novo futuro para os brasileiros. E quando digo isso, falo com uma mão voltada para o seringueiro no coração da selva amazônica e a outra para o empreendedor suando para criar e desenvolver sua empresa. Porque não existem brasileiros do Sul ou do Norte. Somos todos um só país. Somos todos uma só nação. Uma nação democrática.

O estado democrático de direito tem como um dos seus pilares o direito de propriedade. Reafirmamos aqui o respeito e a defesa deste princípio constitucional e fundador das principais nações democráticas do mundo.

Emprego, renda e equilíbrio fiscal, é o nosso compromisso para ficarmos mais próximos de oportunidades e trabalho para todos. Quebraremos o círculo vicioso do crescimento da dívida, substituindo-o pelo círculo virtuoso de menores déficits, dívidas decrescentes e juros mais baixos.

Isso estimulará os investimentos, o crescimento e a consequente geração de empregos. O déficit público primário precisa ser eliminado o mais rápido possível e convertido em superávit. Este é o nosso propósito.

Aos jovens, palavra do fundo do meu coração: vocês têm vivido um período de incerteza e estagnação econômica. Vocês foram e estão sendo testados a provar sua capacidade de resistir. Prometo que isso vai mudar. Esta é a nossa missão. Governaremos com os olhos nas futuras gerações e não na próxima eleição.

Libertaremos o Brasil e o Itamaraty das relações internacionais com viés ideológico a que foram submetidos nos últimos anos. O Brasil deixará de estar apartado das nações mais desenvolvidas. Buscaremos relações bilaterais com países que possam agregar valor econômico e tecnológico aos produtos brasileiros.

Recuperaremos o respeito internacional pelo nosso amado Brasil. Durante a nossa caminhada de quatro anos pelo Brasil, uma frase se repetiu muitas vezes: “Bolsonaro, você é a nossa esperança”.

Cada abraço, cada aperto de mão, cada palavra ou manifestação de estímulo que recebemos nesta caminhada fortaleceram o nosso propósito de colocar o Brasil no lugar que merece. Nesse projeto que construímos, cabem todos aqueles que têm o mesmo objetivo que o nosso.

Mesmo no momento mais difícil desta caminhada, quando, por obra de Deus e da equipe médica de Juiz de Fora, ganhei uma nova certidão de nascimento, não perdemos a convicção de que juntos poderíamos chegar a esta vitória.

É com esta mesma convicção que afirmo: ofereceremos a vocês um governo decente, que trabalhará, verdadeiramente, para todos os brasileiros. Somos um grande país, e agora vamos juntos transformar esse país em uma grande nação. Uma nação livre, democrática e próspera!

Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”.

[Ao final, Bolsonaro questionado por 1 repórter sobre que palavras teria para pacificar o país. Ele respondeu:“Não sou Caxias [Duque de Caxias], mas sigo o exemplo desse grande herói brasileiro. Vamos pacificar o Brasil e, sob a Constituição e as leis, vamos constituir uma grande nação”]

JAIR BOLSONARO – DISCURSO NA INTERNET

(transmitido ao vivo pela internet)

“Boa noite, ao meu lado a senhora Angela, professora de libras e minha esposa, Michele, pessoa que nos momentos de alegria e de tristeza sempre esteve ao meu lado.

Eu quero nesse momento agradecer a Deus pela oportunidade. E mais ainda, quero agradecer a Deus que pelas mão de médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde da Santa Casa de Juiz de Fora e do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, operaram 1 verdadeiro milagre, mantendo a minha vida. Um momento que eu jamais poderia esperar, mas que graças a Deus, repito, foi superado.

Com toda certeza ele reservou algo para mim e para todos nós aqui do Brasil. Esse 1º contato meu, via live, deve-se ao respeito, à consideração, à confiança que tenho no povo brasileiro. Eu também só cheguei aqui porque vocês, internautas, povo brasileiro, realmente vocês acreditaram em mim.

Desde o começo, há 4 anos, nesta mesa, quando decidi, sozinho, disputar a Presidência, sabia de todas as dificuldades que teria pela frente. Mas com 59 anos de idade à época, não poderia mais pensar apenas em mim e disputar mais 1 mandato de deputado federal, com toda a certeza sendo o mais votado no Rio ou até mesmo me elegendo senador da Republica, depois dos 60 essa vontade se fez cada vez mais presente.

Não por obsessão, não por querer ocupar a cadeira presidencial por 1 motivo pessoal. Ocupá-la sim para que juntamente com uma boa equipe, boas pessoas ao meu lado, nós pudéssemos ter sim, mais que a esperança, mas a certeza de mudar o destino do Brasil.

Fizemos uma campanha não diferente dos outros, mas como deveria ter sido feita. Afinal de contas, a nossa bandeira, o nosso slogan, eu fui buscar aquilo que muitos chamam de “caixa de ferramenta para consertar o homem e a mulher”, que é a bíblia sagrada. Fomos em João 8 32 “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Nós temos que nos acostumar a conviver com a verdade. Não existe outro caminho se quisermos a paz e a prosperidade.

A verdade tem que começar a valer dentro dos lares, até o ponto mais alto que é a Presidência da República. O povo tem mais que o dever, tem o direito de saber o que acontece em seu país, graças a Deus essa verdade o povo entendeu perfeitamente.

Alguém, sem 1 grande partido, sem Fundo Partidário, com a grande parte da grande mídia o tempo todo criticando, colocando-me em uma situação muitas vezes próximo a uma situação vexatória sobre aquilo que falavam a meu respeito, e [o eleitor] passou a acreditar na gente, e passou a ser sim integrante de 1 grande exército que sabia para onde o Brasil estava marchando e clamava por mudanças.

Não poderíamos mais continuar flertando com o Socialismo, com o Comunismo e com o Populismo e com o extremismo da esquerda.

As urnas se abriram e nós fomos declarados vencedores deste pleito e o que eu mais quero é, seguindo ensinamentos de Deus, ao lado da Constituição Brasileira, inspirando-se em grandes líderes mundiais e com uma boa assessoria técnica e profissional ao seu lado – isenta de indicações políticas de praxe – começar a fazer 1 governo a partir do ano que vem que possa realmente colocar o Brasil em 1 lugar de destaque.

Temos tudo para ser uma grande nação se essa for a vontade de Deus seremos. Temos condições de governabilidade dado aos contatos que fizemos com os parlamentares.

Todos os compromissos assumidos serão cumpridos, com as mais variadas bancadas, com o povo em cada local do Brasil que eu estive presente. E fazendo 1 pequeno a parte: nada mais gratificante do que quando estive em Manacapuru, coração do Amazonas, conversando com pessoas simples, mas que tinham sede de conhecer a verdade e de conversar com alguém que realmente os tratava com o devido respeito e consideração.

Indo para o encerramento, meu muito obrigado a todo vocês pelo apoio, pela consideração, pelas orações e pela confiança. Vamos juntos, juntos mudar o destino do Brasil. Sabíamos para onde estávamos indo e agora sabemos para onde queremos ir. Meu querido povo brasileiro, muito obrigada pela confiança, e no momento peço a Deus que mais uma vez coragem para poder bem decidir o futuro. Estou muito feliz, e missão não se escolhe nem se discute, se cumpre e nós juntos cumpriremos a missão de resgatar o nosso Brasil. Um forte abraço a todos e fique com Deus.”

FERNANDO HADDAD

“Manuela , Estela, Duca [Leindecker, marido de Manuela], muito prazer em ter você conosco. Meus filhos, minha mãe [cita suas irmãs e outros nomes], todos os companheiros de todos os partidos presentes. Queria saudar em especial o Guilherme Boulos, que está aqui e foi candidato a presidente da República.

Companheiros do Pros, do PC do B, do Psol, do PSB, estiveram conosco. Presidenta Dilma está aqui também. O sempre senador Suplicy, nossos deputados e nossos senadores. Em 1º lugar, eu gostaria, pela minha formação, de agradecer os meus antepassados. Eu aprendi com os meus antepassados o valor da coragem para defender a Justiça a qualquer preço. Aprendi com a minha mãe, meu pai, com a memória dos meus avós, que a coragem é 1 valor muito grande quando se vive em sociedade, porque todos os demais valores dependem dela.

Queria agradecer a todos os partidos que estiveram conosco com sua militância aguerrida, primeiro que nos levou ao 2º turno, depois que nos levou a ter mais de 45 milhões de votos no dia de hoje.

Uma parte expressiva do povo brasileiro precisa ser respeitada neste momento. Diverge da maioria. Tem 1 outro projeto de Brasil na cabeça e merece o respeito no dia de hoje. Sei que entre os 45 milhões de eleitores que nos acompanharam até aqui, muita gente não é de partido político, muita gente não é de associação, sobretudo na última semana o que nós vimos foi a festa da democracia nas ruas do Brasil. Gente que saiu à rua com colega, com a esposa, com o marido, com os filhos, e passou a panfletar o país inteiro ou colocar 1 banco numa praça, colocar 1 cartaz no pescoço, e passoou a dialogar e reverter o quadro que se anunciava na 1ª semana do 2º turno. E houve uma reversão muito importante em função da conscientização de uma boa parte dos brasileiros sobre o que estava em jogo. E era muita coisa que estava em jogo.

Nós vivemos 1 período já longo em que as instituições são colocadas a prova a todo instante. A começar em 2016, quando tivemos o afastamento da presidente Dilma, depois a prisão injusta do presidente Lula e a cassação do registro da sua candidatura desrespeitando uma decisão das Nações Unidas.

Mas nós seguimos, seguimos de cabeça erguida, seguimos com determinação, seguimos com coragem para levar a nossa mensagem aos rincões do pais, ao campo e a cidade, às periferias e aos centros, aos estudantes e aos idosos, aos LGBTs, aos homens e mulheres, brancos e negros, católicos e evangélicos, àqueles que pertecem de religiões de matriz afro, aos ateus. Todos os brasileiros. Nós de forma determinada fomos a todos os rincões levar a mensagem que vale a pena levar. De que a soberania nacional e a democracia como entendemos é 1 valor que está acima de todos nós.

Temos uma nação, temos de defendê-la daqueles que de forma desrespeitosa pretendem usurpar o nosso patrimônio, o patrimônio do povo brasileiro e entendemos a democracia não se pensa do ponto de vista formal. Embora seja muito importante lembrar isso hoje, são os direitos civis, políticos, trabalhistas, sociais que estão em jogo nesse momento. Temos uma tarefa enorme no país que é, em nome da democracia, defender o pensamento, as liberdades desses 45 milhões de brasileiros que nos acompanharam até aqui.

Temos a responsabilidade de fazer uma oposição colocando os interesses nacionais, o interesse de todo o povo brasileiro, acima de tudo.Porque nós aqui temos um compromisso com a prosperidade deste país. Nós que ajudamos a construir a democracia, uma das maiores do mundo, temos que ter 1 compromisso de mantê-la. Não aceitar provocações e ameaças.

Lembrando o nosso hino nacional, verás que 1 professor não foge à luta, nem teme quem adora a liberdade à própria morte. Nosso compromisso é 1 compromisso de vida com este país. Nós temos uma longa trajetória de militância, de vida pública, nós reconhecemos a cidadania em cada brasileiro, em cada brasileira e nós não vamos deixar esse país para trás, vamos colocar acima tudo e vamos defender nossos pontos de vista, respeitando a democracia, as instituições, mas sem deixar de colocar nosso ponto de vista sobre tudo que está em jogo no Brasil a partir de agora. Tem muita coisa em jogo e precisamos compreender o que está em jogo.

Temos que fazer uma profissão de fé, de que nós vamos continuar nossa caminhada conversando com as pessoas, nos reconectando com as bases, com os pobres desse país, para retecer o plano e programa de nação que há de sensibilizar mentes e corações deste país.

Daqui a 4 anos temos uma nova eleição, precisamos garantir as instituições. Não vamos sair das nossas profissões, ofícios, mas não vamos deixar de exercer a nossa cidadania. Vamos estar o tempo todo exercendo essa cidadania e talvez o Brasil nunca precisou tanto desse exercício de cidadania como agora. Eu coloco a minha vida à disposição deste país.

Tenho certeza que falo por milhões de pessoas que colocam o país acima da própria vida, do próprio bem estar. Olhando nas ruas deste país, em todas as regiões, senti uma angústia, 1 medo na expressão de muitas pessoas que às vezes chegavam a soluçar de tanto chorar. Não tenham medo, nós estaremos aqui, nós estamos juntos, nós estaremos de mãos dadas com vocês, nós abraçaremos a causa de vocês. Contem conosco. Coragem, a vida é feita de coragem. Viva o Brasil!.”

 

 

Credito:Poder360